Conheça essas 6 dicas para transportar pets em avião

23

Você pretende viajar de avião e não quer deixar o seu pet em casa? Mas, também não tem nem idéia de como levar ele junto com você? Neste conteúdo, a gente dá uma série de dicas para o transportar pets em avião.

E vale lembrar, aliás, que as companhias aéreas têm melhorado e muito esse serviço de transporte de pets. Só que vale dizer também que, por enquanto, ainda não é algo nem tão barato e muito menos simples.

É preciso considerar, por exemplo, uma série de documentação que precisa ser apresentada. Então, de fato, tem sim algumas burocracias. Mas, a gente vai falar disso tudo para você entender de um jeito bem simples. Acompanhe aí.

As dicas, os cuidados e as regras

PROPAGANDA

Antes de tudo, antes mesmo de a gente começar com as dicas, faça uma coisa saudável. Leve o seu cachorrinho ou o seu gatinho até o veterinário para saber de um especialista se ele tem realmente condições de encarar um voo.

Afinal, por mais tranqüilo que ele seja no dia a dia, a situação de estar dentro de um avião pode ser bastante interessante. Então, é bom e já saber de antemão se ele vai suportar tudo isso.

Se o animal tiver liberado para viajar é hora de começar o planejamento. E agora sim vamos às dicas sobre como transportar pets em avião.

1 – a disponibilidade do voo

A primeira coisa que deve ser feita é consultar junto com a companhia aérea se o seu voo tem disponibilidade para animais de estimação.

Isso porque não adianta chegar com seu amigão debaixo do braço na hora do check in e achar que vai embarcar sem problema, tá bom?

Esse serviço deve ser contratado com antecedência, por isso, verifique com a companhia quais são as regras para o transporte.

2 – as regras da companhia

Isso é super importante de ser feito porque as regras mudam muito de uma companhia para outra companhia.

A Azul Linhas Aéreas, por exemplo, só permite o transporte de animais de até 5 quilos. Isso somando o peso dele e o da caixa também. Ao passo que se o seu animal tiver um peso maior do que esse, ele já não vai poder voar com essa companhia.

E leve em conta que esse é só um exemplo porque as companhias também podem ter diferentes regras em relação ao tamanho da caixa. E até mesmo às raças, que podem ser transportadas.

Para se ter ideia, tem algumas raças que não vão um avião de jeito nenhum.

Por isso, se você vai transportar pets em avião, conheça as regras da companhia.

Saiba sobre a Flybondi, companhia aérea argentina low-cost que chegou no Brasil

3 – a vacinação do pet

Outra informação importante é saber que em vôos nacionais vai ser necessário apresentar um certificado de vacinação antirrábica do seu pet.

A vacina deve ser aplicada a pelo menos  30 dias e há menos de um ano da data de embarque. E se a vacina venceu ou você não puder comprovar que ela foi feita porque perdeu o certificado ou porque seu cachorro comeu esse documento vai ter problemas.

Saiba que a dose vai ter que ser repetida!

E lembre-se que esse certificado tem que ter o nome da vacina e o nome do laboratório que fez o produto também.

Ainda sobre os documentos, quando faltar mais ou menos uma semana para a viagem, procure um veterinário. Aí, peça para ele um atestado de saúde para viagens aéreas

As regras como sempre mudam de companhia para a companhia, como falamos. Só que a maioria aceita atestados emitidos no máximo 10 dias antes do voo.

E esses são os dois documentos exigidos nos vôos domésticos.

4 – os documentos para voos internacionais

Agora, nos vôos internacionais, os documentos são outros. Eles vão variar conforme o país de destino. Portanto, se vai transportar pets em avião para outros países, fique ainda mais atento.

Então, se você for viajar para o exterior e quiser levar o seu animal de estimação, prepare o seu bichinho para essa nova experiência.

Não importa seu pet for viajar na cabine ou no porão do avião, ele vai ter que passar o voo inteiro dentro da caixa transportadora, ok?

Por isso, é muito importante que você encontrar uma caixa ou uma bolsa que seja adequada ao tamanho dele. Além de se adequar às regras da companhia.

Por exemplo, é importante que ele tenha espaço para girar, se deitar e que seja bem resistente. E que também seja ventilada, né.

5 – a alimentação do pet

Alguns dias antes, comece a oferecer uma alimentação um pouco mais leve para o pet. Isso vale, inclusive, para o dia do voo.

Evite dar comida entre duas e três horas antes do embarque. E a água está liberada, portanto, pode ser oferecido à vontade. Porque é muito importante que ele se mantenha bem hidratado.

Desde então embarcar por último porque quanto menos tempo seu animalzinho ficar dentro do avião melhor para ele.

6 – cuidado com os remédios

Vale lembrar que os remédios calmantes não são recomendados em viagens de avião. Isso porque eles podem ter efeitos colaterais e não vai ser nada legal seu bichinho tiver algum problema lá no alto.

Inclusive, saiba que algumas companhias não transportam os animais sedados.

Então, só use medicamentos se for solicitado pelo veterinário, combinado? O fato é que muitas pessoas têm receio de deixar seus animais sejam transportados no porão do avião. E acabam dando o remédio, mas isso é um erro.

Vale lembrar que hoje em dia esse lugar também é iluminado e pressurizado. Exatamente como é a cabine.

Ele não vai estar lá junto com as bagagens na esteira no momento que todo mundo sair do voo, como a gente vê em filmes. Por isso, você vai ter que buscar lo no setor específico de bagagens especiais.

PROPAGANDA